NO AR:
RADAR 97.8 FM
RADARZINE (OKC20)

RADARZINE (OKC20)

Like
191
0
Sexta-feira, 12 Maio 2017
Esta Semana
O Radarzine prossegue o seu destaque alargado aos músicos nacionais envolvidos na nossa experiência científica OKC20, a celebração dos 20 anos de OK Computer dos Radiohead, onde todas as semanas estreamos novas versões para as 12 canções no alinhamento do álbum.

Depois da versão de TAPE JUNk para “Electioneering”  e de “Karma Police” por Benjamim, a canção que estreámos esta semana (e que podem ouvir apenas em exclusivo durante as nossas emissões) foi a dos Vaarwell para “Exit Music (For A Film)”.

Deixamos hoje o testemunho de Margarida Falcão (voz, teclas) e Ricardo Nagy (guitarra, teclas) sobre a sua relação com o clássico terceiro álbum dos Radiohead.

———————————————————————
Qual é a vossa relação com o OK Computer? Que idade tinham quando o álbum saiu?
Ricardo: Em 1997 nós tínhamos 1 ano. Conhecemos os singles.
Margarida: Está na minha “to do list”, mas nunca ouvi o álbum do início ao fim.
Ricardo: Eu comecei a ouvir Radiohead no Verão do ano passado, comecei a ouvir o Kid A. E pronto, não temos grande relação com a banda, se calhar é um bocado decepcionante. Conhecemos os singles e a “Exit Music”.
Margarida: E mesmo quando escolhemos essa não a conhecia. Como fomos os últimos a responder só sobrou essa música. Mas é interessante, Radiohead é uma banda super respeitada, por alguma razão há-de ser, para mim acho que é sempre um desafio engraçado, até para me obrigar a ouvir as músicas.
Como é que construíram a vossa versão da “Exit Music (For a Film)”?
Ricardo: Eu acho que a ideia foi pegar nas melodias, pelo menos nos primeiros versos, e tentar… Eles fazem uma coisa que é mudar a harmonia e mudar de tom quando a harmonia está normal, que é uma coisa que nós não fazemos muito, então tentamos puxar aquilo, no início, para uma coisa como se fôssemos nós a fazer. Depois lá para o meio já não dava e tivemos de fazer como eles faziam, por isso é que ficou muito diferente daquilo que nós estamos habituados a fazer.
Margarida: Uma coisa que eu faço, ao fazer uma versão mas não ficar demasiado colada, é não ouvir a música demasiadas vezes, portanto apanhar o geral, ouvir a música duas ou três vezes, decorar a base e a partir daí tentar não fazer demasiado colado à versão original.
Ricardo: Eu por acaso ouvi a música imensas vezes.
E como é que foi a divisão de tarefas na banda?
Margarida: Com o nosso álbum, varia muito, mas neste caso a maior parte do mérito está no Ricardo, ele fez tudo excepto as vozes.
Ricardo: Eu fiz uma primeira coisa, de que não estava demasiado convencido, e mandei para a Margarida, ela não gostou, depois começámos outra coisa. A Margarida ouviu a música, meteu no tom que lhe parecia melhor e enviou-me. É engraçado, ela enviou-me no tempo original da música, eu tinha já gravado um loop de percussão que tinha feito com umas latas e experimentei colar isso por cima do loop de percussão e estava exactamente ao mesmo tempo, e foi daí que partiu.
Chegando dentro da música, houve alguma parte que tenha sido mais difícil?
Ricardo: Sim, tirando aqueles versos do início que repetem 3 vezes, há umas partes lá mais para o meio que eram mais difíceis porque iam completamente contra aquilo que nós fazemos normalmente – que são coisas mais simples em termos harmónicos e musicais. Era difícil simplificar aquilo como nós costumamos fazer e acabou por ficar só como eles fazem.
Margarida: A parte das mudanças de tom e isso, eles fazem muitas transições de tom, fica assim mais épico, nós não temos tanto isso.
E a parte de cantar, foi-te fácil adaptar à voz do Thom Yorke?
 
Margarida: Sim, foi como eu faço sempre, que é cantar, decorar a melodia e cantar. Por acaso é curioso, porque eu não me tinha apercebido que o Thom Yorke é de facto bastante desafinado, até em estúdio. E quando eu comecei a gravar a música estava a ouvir a original nos phones e gravava por cima, e fazia-me imensa confusão nas partes em que ele estava desafinado, eu perdia-me completamente. E isso foi interessante, mas de resto não teve dificuldade nenhuma.
Com Duarte Pinto Coelho

Sábado 13:00 / Domingo 20:00 / Terça para Quarta 00:00

share

Comments are closed.